30/10/2017

DOGTV, canal desenvolvido para cães, chega ao Brasil

DOGTV, Canal Desenvolvido Para Cães, Chega Ao Brasil Pelo Discovery.

Canal tem programação exclusiva criada a partir de estudos científicos.


Pessoal,

Assistir TV pode ser uma alternativa para ajudar a distrair e manter os dogs ocupados; NÃO É para substituir as brincadeiras e passeios! Não se esqueçam que eles são fundamentais para a saúde física e psicológica deles! Ok?!

A TV também não resolve problemas de comportamento, como ansiedade de separação e, dependendo do temperamento do cão, até pode criar alguns, como vocês podem ver no segundo texto abaixo, que tem mais informações a respeito.

Qualquer programa pode ajudar a distrair os cães (eu tenho clientes que adoram); a diferença da proposta da DOGTV, pelo que explica a matéria, é que ela teria um conteúdo mais agradável para os cães, levando em conta as características fisiológicas e comportamentais da média dos cães usados na pesquisa.

Se você ficar em dúvida se pode ser bom para o seu cão deixar a TV ligada (o que, inclusive, você pode fazer só por um tempo, usando o timer dela para desligá-la), deixar um rádio, ou outro som ligado é uma boa alternativa pois ouvir vozes e sons (de preferência suaves, agradáveis) pode ajudá-los a se sentir menos sozinhos. Ok?

Um abraço,

Reginaldo Ribeiro.



Por que Alguns Cães Assistem TV?

http://www.revista4patas.com.br/single-post/2017/08/12/Por-que-alguns-c%C3%A3es-assistem-TV?Itemid=37&id=44&option=com_content&view=article

Cães ajudam em tratamento da microcefalia

Cães ajudam em tratamento da microcefalia

Dois anos depois da descoberta do surto da microcefalia no Brasil por Pernambuco, que alertou o país e o mundo para o problema, o estado não se descuidou dos casos e saiu, de novo, na frente quando o assunto é a doença. É lá que cães estão sendo usados, pela primeira, vez no tratamento de crianças com microcefalia.

Matéria completa:
http://blogs.odia.ig.com.br/eobicho/2017/10/22/caes-ajudam-em-tratamento-da-microcefalia/

Atente-se ao xixi do pet, ele pode indicar diabetes.

Atente-se ao xixi do pet, ele pode indicar diabetes.

"A genética é a grande culpada pela ocorrência do diabetes nos cães, mas tudo indica que os mascotes sedentários, obesos e com alterações metabólicas secundárias ao estilo de vida possuem maior chance de desenvolver o problema. Principalmente porque muitos pets têm um modelo de vida parecido com o de seus donos. Por isso, o melhor caminho para prevenir a doença é “manter uma dieta adequada, rica em fibras e com baixo teor de gorduras, além de estimular os exercícios e controlar os petiscos”, afirma o especialista."

Matéria completa:

21/09/2017

Cuidado com o que vocês deixam ao alcance do seu cão!

Cuidado com o que vocês deixam ao alcance do seu cão!

Cadelinha engole dardo de 40 centímetros.


Pessoal,

Os cães são animais curiosos, principalmente os filhotes, que estão começando a descobrir o mundo, e tendem a explorar tudo o que estiver ao seu alcance. Para isso, usam não só o olfato, como o paladar e, por isso, tendem a levar qualquer tipo de objeto à boca, mesmo os menos prováveis, como essa cadelinha da matéria.

Por isso é importante que os donos tenham cuidado com o que deixam ao alcance do cão, evitando deixar objetos fáceis de engolir, cortantes ou perfurantes, produtos tóxicos e remédios, por exemplo, além de seus objetos de valor e também sempre procurar estimulá-los a brincar com seus brinquedos, chamando-os para brincar com eles e também parando um pouco o que estiverem fazendo para brincar quando eles quando eles forem brincar sozinhos, o que diminuirá a chance deles interagirem com o que não devem. OK?

Um abraço,

Reginaldo Ribeiro.


Fonte: https://g1.globo.com/pr/norte-noroeste/noticia/cachorra-engole-dardo-de-40-centimetros-no-parana.ghtml


Cães também sofrem com problemas de gases e flatulência.

Cães também sofrem com problemas de gases e flatulência.

Barulhos na barriga e odores desagradáveis podem ser um problema, principalmente se o seu cão vive dentro de casa. É mais comum em cães de focinho curto (braquicéfalos) como os Buldogues, Pugs, Boxer e Boston Terrier, mas teoricamente pode afetar qualquer raça.


Artigo completo:
https://www.anda.jor.br/2017/08/caes-tambem-sofrem-com-problemas-de-gases-e-flatulencia/

20/09/2017

Cães imitam a personalidade dos donos, diz pesquisa.

Cães imitam a personalidade dos donos, diz pesquisa.

Eles também conseguem perceber estados emocionais e ajudam seus humanos a lidar com estresse.

Uma pesquisa de cientistas austríacos afirma confirmar algo que muita gente já diz há algum tempo: os cães desenvolvem uma personalidade parecida com a de seus donos.
Alguns animais expressam a ansiedade e a negatividade dos humanos, enquanto cães tranquilos e amigáveis conseguem ajudá-los a lidar melhor com o estresse.

Os pesquisadores fizeram testes com mais de cem cachorros e seus donos.

Nas análises, mediram os batimentos cardíacos e a resposta a ameaças. Amostras de saliva também foram colhidas para avaliar os níveis de cortisol, considerado o hormônio do estresse - a substância controla nosso biorritmo, reduz inflamações e estimula a imunidade.

Os donos foram então avaliados de acordo com cinco características de personalidade: neuróticos, extrovertidos, abertos às experiências, afáveis e conscientes.

A personalidade dos cachorros também foi avaliada por meio de um questionário aplicado a seus proprietários.


Emoções imitadas

Os cães têm vivido com o homem há mais de 30 mil anos.

Segundo a cientista Iris Schoberl, da Universidade de Viena, no estudo tanto donos como cachorros influenciaram seus respectivos mecanismos de imitação. Mas o ser humano se mostrou mais influente do que o cão.

"Nossos resultados comprovam aquilo que vemos na prática: os cães e seus donos são pares sociais e influenciam um ao outro na maneira como lidam com o estresse", disse a cientista à BBC.
Schoberl destacou que os cachorros são sensíveis aos estados emocionais dos seus donos - e podem imitar suas emoções.

De acordo com a nova pesquisa, eles conseguem captar a informação emocional das pessoas e ajustar seu comportamento de acordo com ela.

O estudo foi publicado na revista científica online PLOS ONE.


Fonte:

23/07/2017

Dicas de alguns cuidados com seus peludos no inverno.



Cuidado em dobro com os pets no inverno

O inverno chegou chegando. Logo nos primeiros dias já tivemos temperaturas lá embaixo. Mesmo o Brasil não sendo um país muito frio, temos que ter atenção redobrada com os pets nessa estação do ano. Imaginamos que os cães e gatos não sintam frio por serem cobertos de pelos, né, mas isso não é uma verdade. Eles oferecem certa proteção, mas em alguns casos isto não é suficiente. Essa proteção varia de acordo com a raça, o ambiente no qual vivem e outros fatores. E nunca é demais lembrar: animais que vivem em ambiente externo devem estar protegidos do vento e da chuva. E mais: manter os pets bem quentinhos e protegidos é o melhor remédio nesse frio e ir com frequência ao veterinário e procurar o profissional ao sinal de qualquer problema é o que vai garantir uma vida saudável ao seu peludo. As dicas de cuidados com os peludos que vou dar aqui são da Carla Storino Bernardes, veterinária da rede de lojas Cobasi.


DOENÇAS

Existem doenças que são mais típicas no inverno. Em cães é a traqueobronquite, conhecida como gripe canina ou tosse dos canis. Os principais sintomas são febre, tosse persistente, coriza e espirros. Ela pode ser prevenida com vacina, que deve ser incorporada ao calendário anual de vacinação do seu peludo. Já no gatos, o problema frequente no frio é a rinotraqueíte. Os sintomas são secreção nasal e ocular, dificuldade de respirar, febre e desidratação. A prevenção do problema também é feita por meio de vacina. E claro: o tratamento tanto nos cães quanto nos gatos seve ser recomendado pelo médico-veterinário.


FILHOTES E IDOSOS

Se os nossos pets saudáveis e jovens precisam de cuidados especiais no inverno imaginem os filhotes e idosos! No caso dos filhotes, eles ainda são muito frágeis, não tomaram todas as vacinas e podem desenvolver problemas no frio se não forem devidamente cuidados. Já os idosos é o contrário. Alguns, devido à idade, podem já ter alguma doença que se agrava nas baixas temperaturas. Os pets de até aproximadamente 3 meses de idade não conseguem manter a temperatura do corpo e perdem calor com facilidade, por isso dependem do abrigo e da alimentação oferecida para manter o calor. Isso significa que você deve manter o filhote em local protegido, confinado e aquecido. Já os idosos apresentam uma peculiaridade nessa época do ano. É que no inverno eles podem apresentar patologias relacionadas à ortopedia e, em temperaturas mais baixas, as dores aumentam em animais que já têm doenças articulares. Além disso, é importante ficar atento ao calendário de vacinação do peludo, pois os animais idosos costumam ficar mais suscetíveis às doenças.


BANHO E ALIMENTAÇÃO

A gente sabe como é difícil tomar banho no inverno, né. Eu morro de frio. E com os nossos pets não é diferente. Só que, no caso dos peludos a tendência é diminuir a frequência do banho e da tosa no inverno, ao contrário de nós que temos que tomar banho todos os dias. Secar muito bem os pelos depois do banho é fundamental, por eles atuam como uma barreira de proteção natural dos animais para troca de calor com o ambiente. Isso também ajuda a evitar problemas de pele. No frio, o ideal é dar banho no pet em ambiente fechado e com água morna e, claro, e não deixá-lo exposto ao vento depois. A veterinária recomenda ainda usar cobertas para não ocorrer hipotermia. Outra dúvida comum no inverno é se os animais precisam comer mais. Carla explica que a alimentação do animal não deve ter alteração nessa estação do ano, a não ser que o animal viva fora de casa, num ambiente externo. Nesse caso, a quantidade de ração deve ser 20% maior que o dado normalmente porque ele vai queimar mais gordura para se aquecer.


ACESSÓRIOS

Vestir ou não os pets no inverno? Depende. Lá em casa não uso roupa nos meus porque eles não gostam mas, claro, estão sempre quentinhos e bem cuidados. Geralmente raças de pelo curto sentem mais necessidades de roupinhas, como o Chihuahua; Basset Hound; Beagle; Boxer; Bulldog. Mas os animais de pelo longo também podem se vestir e as roupas feitas de malha, soft e matelassê são as recomendadas. Já o modelo fica a critério do tutor levando sempre em conta o conforto e segurança do seu pet. E o ideal é que a roupa seja retirada com uma certa frequência para evitar problemas de pele. Ficar de vez em quando sem ela também é bom para que o animal seja escovado evitando que o pelo dê nó. E, claro, é importante lavar sempre as roupinhas. E a frequência disso vai depender do local onde o animal vive. Os pets que ficam dentro de casa tendem a manter as roupas mais limpas, ao contrário do vivem em ambientes externos. O mesmo é recomendado para as mantas, cobertores e caminhas.