18/06/2017

Avanços garantem melhor qualidade de vida para animais.


Avanços garantem melhor qualidade de vida para animais.
(Por Renata Leite | Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais).

A ampliação dos cuidados de saúde com os animais, além de mais redobrada por parte dos tutores, agora vem se modernizando com a ajuda da tecnologia e dos avanços da ciência. Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais (Abinpet), o país detém aproximadamente 52,2 milhões de cães e 22,1 milhões de gatos, sendo assim avaliado como a segunda maior população de animais domésticos no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

Com essa população em potencial crescimento, os investimentos em saúde veterinária vem tomando espaço no mercado.

Um marco desse progresso está na ortopedia animal, uma vertente significativa para a saúde, que respinga na melhoria e extensão da qualidade de vida dos nossos companheiros domésticos, que tanto amamos e queremos ver bem.

Por intermédio da ciência, contamos agora com as impressões 3D, que reproduzem a lesão fidedigna de um animal com o auxílio da imagem tirada em radiografias e ultrassons. Com isso, as imagens são impressas como protótipos tridimensionais em menos de 24 horas, o que facilita o diagnóstico e a visibilidade interna causada pela fratura. “Essa possibilidade de vermos a fratura de uma maneira mais próxima da realidade é ideal para que possamos planejar a melhor abordagem e testá-la neste objeto, especialmente em casos mais delicados e cirurgias de risco”, afirma Cassio Ricardo Auada Ferrigno, professor do curso de veterinária da Universidade de São Paulo (USP) para o portal Terra.

Outro técnica, ainda em testes, é o uso de implantes, que antes, só podia ser substituído por inteiro e, que agora, consegue reconstruir as partes do osso lesionadas através do equipamento 3D. A prótese também se adapta à anatomia animal.

O doutor com mais de 20 anos de experiência, conta que o ramo da ortopedia animal, tem sido muito explorada pelos cientistas. Desde que o método alternativo chegou ao Brasil, há quatro anos, se obteve um aproveitamento de 40% dentre os tratamentos. Faz uso dessa prática, a Universidade de São Paulo (USP), que possui uma única impressora 3D em solo brasileiro.


Em contrapartida

Por mais que se esteja em uma onda de descobertas positivas acerca da ortopedia animal entre outros avanços, se fala muito pouco sobre os diagnósticos de prevenção, como é o caso da artitre ou poliartrite autoimune, patologias dificilmente identificada e, também, as que mais atinge os animais.

Os motivos ainda são desconhecidos, mas discorre-se que, sejam causadas por algum desgaste nas articulações e, que podem desencadear outras doenças. “Dificilmente o cão ou o gato é trazido para o ortopedista logo de imediato e sim apenas quando já está mancando, porém, a ida regular ao clínico pode trazer o diagnóstico da artrite ou poliartrite. Às vezes, o animal fica mais apático, quieto e os tutores acham que é apenas uma mudança de comportamento, mas pode ser dor e quanto mais cedo ele é levado, melhor será o tratamento”, ressalta Vanessa Couto de Magalhães Ferraz, veterinária e especializada em ortopedia animal.

Com um diagnóstico mais frequente em cães, os gatos também são atingido, no entanto, são mais difíceis de serem detectados, já que os bichanos são menos agitados que os cachorros. No geral, as raças mais atingidas são as de médio e pequeno porte, a partir dos quatro aos sete anos de vida.

Infelizmente, a enfermidade não tem cura, mas pode ser tratada com sessões de fisioterapia, acupuntura e medicamentos.

Para garantir a prevenção de toda e qualquer doença animal é primordial que o tutor esteja em dia com as idas de rotina ao centro médico veterinário.



03/04/2017

A Rotina da Alimentação dos Cães. Comedouros Automáticos, uma Ferramenta Útil.


Muitos donos reclamam que seus cães não comem bem. Muitos dos quais, por diferentes motivos, deixam uma certa quantidade de ração, em geral escolhida empiricamente, sem procurar se informar sobre a quantidade adequada para o seu cão, por longas horas ou, até mesmo, pelo dia inteiro.

Começando pela parte mais fácil: a quantidade adequada de ração para cada cão pode ser orientada pelo seu veterinário ou ser verificada na tabela constante no verso das embalagens de ração, desde que o dono tenha cuidado em observar a relação idade/peso constante nelas. Detalhe: como eu já postei em um texto no meu site, um cuidado especial é reparar, nas rações para filhotes, se essa tabela se refere ao peso atual do cão, ou à expectativa do cão adulto. Observados estes cuidados, evita-se que o animal coma demais e engorde ou fique subnutrido.

Sobre a rotina: a quantidade de ração informada na embalagem da ração é a diária. Esta deve ser dividida em três ou quatro porções iguais, no caso dos filhotes, e em duas porções para cães adultos e idosos. Ou seja: cada porção para o filhote vai ter 1/3 ou ¼ da porção indicada na embalagem e, a de adultos e idosos, a metade. Estas porções devem, de preferência, ser servidas em horários regulares, distribuídos ao longo do dia, para se estabelecer uma rotina para o cão e retirada e as sobras colocadas em um pote reservado exclusivamente para elas depois de alguns minutos (20 ou, no máximo, 30).

E por que devo estabelecer esta rotina para o meu cão?
- Em primeiro lugar, você conservará melhor a ração, que não terá sobras expostas por longos períodos, ao longo dos quais a ração pega mais umidade, perde nutrientes por oxidação, fica sujeita à poeira, sujeira do ambiente e insetos, além do que perde um pouco do cheiro, tornando-a menos atrativa.

- Em segundo lugar, diante da facilidade de poder comer no instante que quiser, ao longo do período em que a ração fica à disposição, muitos cães tendem a não dar tanto valor a ela, comendo várias vezes ao longo do dia e, com a perda da sua qualidade ao longo das horas, podem não comer toda a quantidade que seria ideal durante o dia. Ao contrário disso, quando a ração é colocada em horários regulares e deixada apenas por alguns minutos, o cão tende a dar mais valor a ela, como é na natureza, onde ele não sabe quando vai conseguir comer, e tendem a comer melhor. Esta é uma das mudanças mais comuns e rápidas de observar nos cães quando os donos estabelecem essa rotina.

- Outro aspecto é quanto à obediência do cão: quando o dono consegue estabelecer com o cão uma relação de trocas, onde ele entende que tem que obedecer a comandos para ganhar o que gosta/ precisa, o que é importante principalmente para cães muito mandões ou ansiosos, o comportamento do cão tende a melhorar. Porém, fica inviável estabelecer essa troca com relação à comida quando ela fica exposta por muito tempo.

Os comedouros automáticos:
Muitos donos tem uma rotina muito corrida, horários irregulares, muitas vezes sem conseguir prever o horário que vão chegar em casa. Para estes, uma ferramenta útil são os comedouros automáticos, que muitos não conhecem.

Existem vários modelos, dos mais simples e baratos, aos mais complexos e mais caros. Há desde os que permitem se colocar uma ou duas refeições, que vão liberar a quantidade colocada em seus recipientes ou programadas (alguns tem limitações de quantidade), até os que permitem colocar três refeições e há, inclusive, modelos nos quais os donos podem gravar uma mensagem de voz para chamar seu cão para comer - o da foto, do meu aluninho Black, é um destes. Cabendo no bolso do dono, a tranquilidade que ele proporciona por o dono não ter que se preocupar se o seu cão vai ficar muito tempo sem comer por muito tempo, vale a pena e “se paga” durante a sua vida útil. A questão é o dono pesquisar os modelos e valores para ver qual é mais adequado à sua rotina e possibilidade financeira.

Um abraço,


Reginaldo Ribeiro.



03/02/2017

Brigas entre cães na mesma casa.


Muitas vezes donos têm problemas por brigas entre seus cães.

Estas brigas, em geral, ocorrem por disputas pelos mesmos recursos, como comida, brinquedos, espaço ou a atenção dos donos. E estes, muitas vezes, sem querer, reforçam este comportamento.

Para começar, o ideal é que cada cão tenha sua vasilha de comida e que os donos não permitam que um tente comer a comida do outro, seja usando uma barreira física, como um portãozinho, que se pode comprar em um pet shop, ou alguma outra, ou tomando conta deles durante o tempo que a ração fica à disposição (o ideal é deixar por 20 a 30 minutos, cada vez que for oferecida) até ser retirada.

Os brinquedos, que devem estar sempre à disposição dos cães, devem ser variados e em quantidade suficiente para que os cães se revezem entre eles, sem ficar entediados e acabem brigando, disputando-os. O ideal é sempre comprar brinquedos iguais para cada um dos cães.

Porém, um dos motivos mais comuns das brigas é a disputa pela atenção dos donos. Muitos donos param de dar atenção para o cão com o qual estão, quando o outro se aproxima e, assim, acabam fazendo este associar a aproximação do outro à perda da atenção, gerando os ciúmes. O correto é exatamente o contrário: dar mais atenção ainda ao cão com o qual se está quando o outro se aproxima e, aos poucos, passar a dar atenção a este. Isso serve também para outros animais ou pessoas.

Assim, o mais importante para uma boa relação entre os animais da casa, é criar associações positivas entre eles, de modo que eles associem a presença uns dos outros a coisas boas, como comida, brinquedos, passeios, repouso e a atenção dos donos.

Para ilustrar, assistam ao vídeo a seguir, que um dos meus clientes me enviou algumas semanas depois do término das aulas (lembrando que é fundamental sempre o dono dar continuidade ao treinamento). A Sol (a S.R.D), de um ano, e a Lua (a Poodle), de oito, brigavam quase sempre quando seus donos se aproximavam se elas estivessem juntas o que, segundo ele, nunca mais aconteceu.





Você acha natural seu filhote rosnar para você?!


Vocês acham natural que seus filhotes rosnem pra vocês quando querem atingir um objetivo, como impedir que vocês tirem deles algo com o que não deveriam brincar, afastá-los da sua comida ou do cantinho onde querem descansar, interromper uma brincadeira ou até carinho que possa estar lhes incomodando, ou conseguir algo que queiram?

Muitos donos acham! Muitos acham fofo e, até, muitas vezes, é engraçadinho, principalmente quando o filhote ainda é muito pequeno e o rosnar parece um ronronar. Mas isso NÃO É LEGAL!

Entendam:

Sempre que o cachorro consegue atingir um objetivo, isso reforça o comportamento. Se este comportamento for desagradável para o dono ou prejudicial a ele ou ao próprio cachorro (como pegar objetos com os quais ele possa se ferir ou intoxicar), o risco relativo a ele tem se tornará cada vez maior, pois o cachorro tenderá a repeti-lo cada vez mais e, cada vez, será mais difícil para o dono inibi-lo. É o que acontece, por exemplo, quando o cão rosna para o dono em algumas das situações como as citadas acima. E, se não bastasse a auto-recompensa do cachorro por ter obtido sucesso no seu intuito, dependendo do porte dele, o seu tamanho pode se tornar um fator para dificultar para o dono interrompê-lo.

O que fazer, então?! Bater no cachorro cada vez que ele rosnar?!

NÃO! NUNCA SE DEVE BATER NO CACHORRO! O animal que apanha só pode aprender a se tornar medroso ou agressivo!
Porém, você não deve dar sinais para o seu cachorro que morder é legal, como rir se achar bonitinho ou tentar convencê-lo disso batendo um longo papo, o que ele poderá interpretar como atenção, o que reforçará o comportamento! Você deve fazê-lo fracassar no seu objetivo de lhe afastar, ou interromper algo que você vai fazer, rosnando! Apenas continue com o que você fosse fazer! O que você não pode é não tomar nenhuma atitude e deixar o cachorro manter este comportamento! E, se não estiver sabendo lidar com a situação, procure um Adestrador, que vai lhe orientar sobre o que fazer!

Um abraço,


Reginaldo Ribeiro.

14/11/2016


Cuidado com o que você faz na frente do seu cão! Ele aprende muito por imitação!


Vocês já repararam como é comum nossos cães mexerem nos objetos que mais usamos ou aos quais costumamos dar mais atenção ou valor?

Isso acontece porque, como nossos cães querem nossa atenção mais que tudo no mundo, eles estão sempre nos observando e, consequentemente, percebem com que objetos interagimos mais ou aos quais damos mais importância. E isso somos nós que mostramos a eles, mexendo nesses objetos na sua presença e/ou parando o que estamos fazendo para lhes dar uma bronca, que pode servir como atenção, quando eles mexem neles. Além disso, como os cães são capazes de imaginar imagens, sons e cheiros e, em geral, eles ficam ansiosos pela chegada dos seus donos, eles conseguem imaginá-los interagindo com os objetos que mais os representam e vão fazer o mesmo, já que os cães aprendem muito por observação e imitação.

O vídeo abaixo é um exemplo divertido de como os cães aprendem por observação e imitação. No caso o dono não vai ter maiores problemas (a não ser, talvez, um aumento do gasto de água e na conta de energia e encontrar a cozinha um pouco molhada), porém, os cães poderiam ter mexido em algo perigoso ou valioso.

E qual é a solução? Prender o cão?! NÃOOO!!! Prender o cão em um espaço pequeno ou em um cômodo só vai deixa-lo mais estressado tanto por não poder ver o que está acontecendo no resto da casa, como porque não vai ter espaço para gastar energia de uma forma saudável, brincando com seus brinquedos e correndo ou, simplesmente, andando pela casa, ou até mesmo se distraindo olhando o movimento da rua por uma janela. Como consequência desse estresse o cão pode começar a se automutilar para aliviar a ansiedade, roer os objetos que estiverem ao alcance ou latir demais.

A melhor solução para evitar essas situações, por um lado, é evitar mexer em coisas que sejam valiosas, que possam causar perigo para a saúde do cão ou, simplesmente causar uma bagunça que o dono não esteja disposto a arrumar, na frente dele – tirar esses objetos do alcance dele também é uma boa medida preventiva. Porém, se mesmo assim, o seu cão mexer em algo que você não gostaria, danifique ou destrua, quando você se der conta disso, se não for na hora em que ele estiver mexendo, não dê bronca, não olhe para ele de cara zangada (pois não vai resolver nada e só deixa-lo inseguro); apenas espere ele sair do ambiente e limpe a bagunça pois, se ele o vir limpando, tanto servirá como atenção como, novamente, será um motivo para ele mexer nas coisas por imitação. Paralelamente a essas atitudes, você deve procurar deixar sempre brinquedos à disposição do seu cão, chamando-o para brincar e parar o que você estiver fazendo para brincar quando ele os pegar sozinho, para que ele dê mais valor aos brinquedos e associe o fato de brincar com eles a ganhar a sua atenção. Assim, na sua ausência, é mais provável que seu cão interaja com os brinquedos do que com seus objetos pessoais, móveis da casa etc. Ok?

Um abraço,

Reginaldo Ribeiro.


video

17/09/2016

Filhote macho de cão é vendido como fêmea após ter órgão genital mutilado


Caros visitantes, quem já explorou um pouco o blog já deve ter reparado que eu sou contra o comércio de animais, por já haverem vários milhares abandonados pelas ruas e nas ONGs de proteção animal, sofrendo dos piores males que um animal abandonado pode sofrer.
Apesar de haverem os criadores sérios, preocupados com o bem-estar animal e desenvolvimento e manutenção das raças, a grande maioria quer apenas ganhar dinheiro à custa da exploração dos animais. E um dos piores tipos de “criadores de fundo de quintal”, como nós chamamos na proteção animal, são aqueles que submetem matrizes e filhotes, deliberadamente, a vários tipos de maus-tratos e covardias. Mas, se mesmo sabendo disso, vocês preferirem comprar animais, não o façam pela internet (se não houver um criador da raça que você quer na sua cidade, pelo menos procurem um que tenha um site profissional que, pelo menos, lhes pareça demonstrar seriedade e, de preferência, em que haja fotos e vídeos dos animais e dos recintos) e NUNCA por sites de classificados! Eu já havia postado um texto sobre isso antes, que vocês podem conferir aqui.


Agora vejam na matéria a seguir a que nível de crueldade pode chegar uma criatura que só quer ganhar dinheiro à custa dos animais!

Um abraço,

Reginaldo Ribeiro.

Filhote macho de cão é vendido como fêmea após ter órgão genital mutilado

Mulher disse que comprou fêmea pela internet e recebeu macho ferido.
Cãozinho passava por segunda cirurgia na tarde desta quinta (15) em SP.




Uma cliente levou para uma clínica veterinária na região central de São Paulo um filhote de cachorro macho com o órgão genital mutilado. Segundo a dona da clínica, que não quer se identificar, a mulher disse que comprou o filhote de cão da raça pincher em um site de anúncios classificados que indicava ser uma fêmea, mas recebeu da pessoa que vendeu um macho ferido.
Segundo a proprietária da clínica, a mutilação foi superficial e feriu o prepúcio (pele que cobre o pênis do cão), mas que o filhote passou por uma cirurgia emergencial. “O ferimento cicatrizou e o canal urinário ficou bloqueado. O cachorrinho chorava de dor por não conseguir urinar. Foi realizada uma primeira cirurgia aqui na clínica para abrir o canal”, contou a empresária, cuidadora e adestradora”, explicou a proprietária.
A assessoria do site OLX, que hospedava o anúncio, disse que "o anúncio em questão já foi removido e o usuário foi banido da plataforma. A empresa já preservou os dados do anúncio e trabalhará em colaboração com as autoridades na investigação do ocorrido".
Segundo a dona da clínica, a mulher relatou que marcou o pagamento em dinheiro e a entrega do animal com a vendedora no estacionamento de um hipermercado.
A vendedora recebeu o dinheiro e orientou a mulher a não abrir a caixinha de papelão onde o cachorro estava porque ele ainda não estava vacinado e corria risco de ficar doente.
Depois da primeira cirurgia na clínica, o filhote foi encaminhado para um hospital veterinário, com estrutura de UTI, e passava por uma nova operação para reconstruir o órgão genital. “Ele é muito pequeno e delicado, foi desmamado antes da hora, foi mutilado e está em sua segunda cirurgia em cerca de 20 dias de vida, por isso é fundamental que seja mantido no tratamento intensivo”, explicou a dona da clínica.

Comércio
Sensibilizada com o caso, a atriz e ativista Júlia Bobrow soube do caso e repercutiu nas redes sociais mostrando a foto do filhote e reivindicando o fim da comercialização de animais e uma reunião com a OLX.
“Em primeiro lugar existe uma lei que permite a venda de animais, mas apenas se estiverem castrados. A empresa não tem informação sobre o estado de conservação dos produtos anunciados, e isso também vale para os animais, com a grande diferença de que estamos falando de vidas”, defende Júlia. “Se a empresa não tem controle sobre casos como este, envolvendo maus-tratos, ela acaba sendo conivente”, acredita.
A ativista contou que soube de outro caso que reforça a necessidade de interromper os anúncios de animais. “Uma pessoa encontrou seu próprio animal, que havia sido roubado, em um anúncio na OLX. Ela recuperou o animal, mas este é mais um caso que comprova a falta de controle da empresa”, afirma.
Até a tarde desta quinta, Júlia não havia obtido resposta da OLX sobre o pedido de reunião.
Em nota ao G1, a OLX disse que “não tolera casos de maus-tratos e só aceita a publicação de anúncios de animais que estejam de acordo com os Termos e Condições de Uso do site. Qualquer conteúdo veiculado na plataforma que infrinja essas regras é removido, tão logo seja identificado Lembramos que a OLX oferece um botão de denúncia em todos os anúncios e recomenda que quando os usuários verificarem a existência de conteúdos que apontem para práticas irregulares ou indevidas, denunciem diretamente na plataforma, ou entrem em contato com a equipe de atendimento ao cliente, para que a empresa investigue o anúncio e tome as medidas necessárias.”.

Maus-tratos
A Polícia Civil informa que as ocorrências de maus tratos a animal podem ser registradas em qualquer delegacia e em cerca de dois meses pela Delegacia Eletrônica de Proteção Animal, que está em fase de implantação.
A Delegacia de Meio Ambiente, do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), é a responsável pela investigação desse tipo de crime, que desde janeiro de 2016 instaurou 98 inquéritos policiais de investigação.
Maus-tratos a animais são considerados crimes, com base no artigo 32 da lei 9.065, de 1998. Segundo a lei, é proibido "praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos". A pena prevista é de multa e detenção de três meses a um ano.
O artigo 25 da lei nº 14.483 de 2007 determina que os anúncios devem apresentar registros do canil no Cadastro Municipal de Vigilância em Saúde, no Cadastro Municipal de Comércio de Animais e CNPJ. O descumprimento das determinações pode acarretar em penalidades que vão de advertências a cerca de R$ 500 mil.

Nova lei

Lei estadual sancionada pelo governador Geraldo Alckmin e publicada no Diário Oficial do Estado de quarta-feira (14) determina a perda da guarda de animais por parte do proprietário que comprovadamente cometer maus-tratos a animais domésticos.
Dentre as punições ao agressor está prevista a proibição de ter na guarda também de outro animal doméstico no prazo de 5 anos após o fato.
O prazo é reiniciado toda vez que outra constatação de maus-tratos for apurada pelas autoridades.
A lei 16.308, de 13 de setembro de 2016, vale em todo o Estado de São Paulo e dispõe sobre penalidades às pessoas que cometerem maus-tratos a animais domésticos.